segunda-feira, 16 de março de 2015

The Guardian e Forbes sobre protestos de domingo: "Festival do ódio; manifestação de ricos"

Mídia internacional vê 'classe média branca' por trás dos protestos de domingo. Britânico The Guardian falou em "manifestações da direita" e destacou a influência da grande mídia para mobilizar as pessoas. Revista Forbes chamou os atos de "festival do ódio". New York Times, La Repubblica, El País e Clarín também comentaram as manifestações no Brasil


As manifestações contra a presidente Dilma no último domingo ganharam a atenção da imprensa internacional, que acompanhou de perto os acontecimentos. Segundo o jornal britânico The Guardian, os protestos reuniram pessoas “mais velhas, mais brancas e mais ricas” de que em 2013. O jornal chamou os protestos de “manifestações da direita” causadas por insatisfação com a economia, política travada e o escândalo de corrupção na Petrobras. O “Guardian” ainda descreveu cartazes escritos em inglês pedindo a volta da ditadura.
As manifestações contra a presidente Dilma no último domingo ganharam a atenção da imprensa internacional, que acompanhou de perto os acontecimentos.

Segundo o jornal britânico The Guardian, os protestos reuniram pessoas “mais velhas, mais brancas e mais ricas” de que em 2013.
O jornal chamou os protestos de “manifestações da direita” causadas por insatisfação com a economia, política travada e o escândalo de corrupção na Petrobras. O “Guardian” ainda descreveu cartazes escritos em inglês pedindo a volta da ditadura.
Os protestos de domingo foram os maiores no Brasil desde 2013, mas o perfil e as políticas dos participantes foram muito diferentes. As manifestações da Copa das Confederações dois anos atrás tiveram suas origens em campanhas para assegurar transporte público gratuito, e se espalharam rapidamente especialmente entre jovens, com ajuda de redes sociais, após a violência policial inflamar a opinião pública. A mais recente onda de protestos, entretanto, é de um grupo mais velho, mais branco e mais rico, reunidos após uma grande cobertura antecipada da grande mídia“, disse.
A revista de economia Forbes chamou os protestos de “festival do ódio”. “Estranhamento, não é a deterioração da economia que irrita os brasileiros. É a política. É a corrupção. Em outras palavras, a política de sempre. E, agora, os brasileiros estão abrindo as janelas dos seus apartamentos, colocando as cabeças para fora e gritando”, diz, em referência ao filme “Rede de Intrigas”, de 1976.
O jornal americano New York Times ressaltou que o impeachment ainda parece uma possibilidade distante, e defendeu a postura de Dilma diante dos protestos. “Em contraste com outros líderes da região que responderam à dissidência com ataques a seus críticos e uso de forças de segurança, a senhora Rousseff assumiu uma postura relativamente pouco confrontadora”, disse o “New York Times”, destacando que a presidente defendeu o direito de protestar dos brasileiros.
O italiano La Repubblica destacou que havia manifestantes pedindo intervenção militar para “por fim ao predomínio político do partido dos trabalhadores”
Já o espanhol El País noticiou, na capa do periódico, que “os protagonistas das marchas pertencem às classes médias mais educadas”. Foram, segundo o jornal, “médicos, professores, advogados e estudantes bem preparados e informados”.
Na argentino Clarín, destacou-se que o deputado federal Paulinho da Força (SD-SP) foi “o único que levou grande número de manifestantes que não são nem brancos nem ricos para a manifestação”. O diário destacou, porém, que Paulinho – líder da Força Sindical e um dos únicos a defender abertamente o impeachment da presidente- foi hostilizado por manifestantes que apenas “toleram” a camada social de trabalhadores representada por este político.
Fonte: Pragmatismo Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário