sexta-feira, 6 de março de 2015

Unasul rechaça golpismo na Venezuela

A União de nações Sul-americanas (Unasul) rechaça qualquer intento de desestabilização democrática na Venezuela, seja de ordem interna ou externa, afirmou nesta sexta-feira seu secretário geral, Ernesto Samper. 
O presidente venezuelano solicitou o apoio do bloco de integração regional depois de apresentar provas de uma manobra de setores da oposição junto a um reduzido grupo da Aviação militar com apoio dos Estados Unidos, que buscavam derrubar seu governo. A delegação é composta por Samper e os chanceleres Ricardo Patiño, do Equador, Mauro Vieira, do Brasil e Maria Angela Holguín, da Colômbia, designados para mediar o conflito venezuelano. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, apresentou a comissão de chanceleres da Unasul evidências sobre fatos que ameaçam o país e diante dessas provas, Samper reafirmou, em nome do organismo multilateral a vontade de preservar o Sul como cenário de paz.
A União de nações Sul-americanas (Unasul) rechaça qualquer intento de desestabilização democrática na Venezuela, seja de ordem interna ou externa, afirmou nesta sexta-feira seu secretário geral, Ernesto Samper. 
O presidente venezuelano solicitou o apoio do bloco de integração regional depois de apresentar provas de uma manobra de setores da oposição junto a um reduzido grupo da Aviação militar com apoio dos Estados Unidos, que buscavam derrubar seu governo. 
A delegação é composta por Samper e os chanceleres Ricardo Patiño, do Equador, Mauro Vieira, do Brasil e Maria Angela Holguín, da Colômbia, designados para mediar o conflito venezuelano.
O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, apresentou a comissão de chanceleres da Unasul evidências sobre fatos que ameaçam o país e diante dessas provas, Samper reafirmou, em nome do organismo multilateral a vontade de preservar o Sul como cenário de paz. 
Também foi analisada a conjuntura eleitoral venezuelana. Para a Unasul é fundamental que esta chegue a um bom final pois esse é o melhor cenário para enfrentar as dificuldades e dirimir as controvérsias, indicou Samper.
Igualmente, Samper chamou a oposição a exercer seu legítimo direito de discordar através do cenário democrático das eleições parlamentares. 
O secretário geral da Unasul anunciou que se reunirá também com partidos de oposição e com as autoridades eleitorais e o Ministério Público para conhecer as circunstâncias dos fatos ocorridos.
Resolver as dificuldades da Venezuela de maneira democrática é prioridade para o bloco regional comprometido com a defesa dos direitos humanos e a democracia, reiterou Samper.
O secretário geral da Unasul informou também que acordou com o chefe de estado venezuelano convocar uma comissão especial do bloco através de seus órgãos regionais com a finalidade de criar canais de apoio à distribuição de bens de consumo básico assim apoiar os esforços do país.
A comissão de chanceleres programou novas reuniões com atores sociais e econômicos do país e se propõe dar acompanhamento permanente aos venezuelanos para superar as dificuldades, como solicitou Maduro. 
Uma missão da Unasul se reuniu nesta sexta-feira em Caracas para analisar a situação política criada na Venezuela depois da fracassada tentativa de golpe de 12 de fevereiro, segundo anunciou Maduro. 
Fonte: Portal Vermelho

Nenhum comentário:

Postar um comentário