segunda-feira, 14 de novembro de 2016

CTB-RS participa de Dia Nacional de Paralisações e Manifestações

A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-RS) participou ativamente do Dia Nacional de Paralisações, Mobilizações e Greves no Rio Grande do Sul, com atos que começaram ainda na madrugada. Em Porto Alegre, dirigentes da Central, juntamente com lideranças de movimentos sociais, se concentraram em frente à garagem de ônibus da empresa Carris, desde as 3h30 da manhã. Após mais uma atuação truculenta da Brigada Militar, os manifestantes foram afastados do prédio com spray de pimenta e bombas de efeito moral. O grupo seguiu no local até 7h da manhã, encaminhando-se depois para a rodoviária da Capital, próximo de avenidas com amplo tráfego de carros que chegavam da região metropolitana.
A Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB-RS) participou ativamente do Dia Nacional de Paralisações, Mobilizações e Greves no Rio Grande do Sul, com atos que começaram ainda na madrugada.
Em Porto Alegre, dirigentes da Central, juntamente com lideranças de movimentos sociais, se concentraram em frente à garagem de ônibus da empresa Carris, desde as 3h30 da manhã. Após mais uma atuação truculenta da Brigada Militar, os manifestantes foram afastados do prédio com spray de pimenta e bombas de efeito moral. O grupo seguiu no local até 7h da manhã, encaminhando-se depois para a rodoviária da Capital, próximo de avenidas com amplo tráfego de carros que chegavam da região metropolitana.
Um fato importante é que o movimento não se restringiu apenas a Porto Alegre. Foram registradas manifestações em outras regiões do Estado. Na região sul, os movimentos sindical e de estudantes somaram-se em mais de 300 pessoas e pararam todo o transporte coletivo, as lanchas de Rio Grande para São José do Norte, e os estaleiros das duas cidades.
Na região da serra, mais especificamente em Caxias do Sul, a movimentação começou às 4h da manhã em frente à Visate. Os dirigentes sindicais liberaram a saída dos ônibus do transporte público por volta de 6h. Na sequência, uma parte das lideranças se dirigiu à Fras-le, onde o vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias, Claudecir Monsani, comandou uma assembleia com os trabalhadores do primeiro turno.
Monsani disse que o motivo da mobilização de hoje é alertar os trabalhadores sobre a perda de direitos que virá caso a PEC 241/55 seja aprovada. “Contamos com a mobilização dos trabalhadores para mantermos o que foi conquistado com a luta de muitos anos”, convoca.
Também foi realizada assembleia em frente à Mundial, onde o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Assis Melo, enfatizou que só com união de todos os trabalhadores será evitada a retirada de direitos. “Essa luta é de cada um. Enquanto vocês estão trabalhando nas fábricas, tem gente votando contra vocês. Por isso essa luta também é tua, trabalhador. Se insistirem em querer votar contra a retirada de direitos dos trabalhadores, não há outra solução a não ser parar esse país”, alerta.
Os sindicalistas se reuniram novamente, em frente à empresa Randon, para nova assembleia neste dia de luta. Assis explica que os trabalhadores estão todos do mesmo lado e não podem pagar a conta pela crise. “O Brasil não vai superar a crise política e econômica querendo subir nos ombros dos trabalhadores”, destaca.
A vice-presidente do Sindicomerciários Caxias, Silvana Ferraz, disse que o motivo da mobilização é alertar os trabalhadores sobre a perda de direitos que virá caso a PEC 241/55 seja aprovada. “Os trabalhadores de todas as categorias têm que se unir, não podemos deixar passar a PEC 241. Nós sindicalistas, sozinhos, não vamos conseguir vencer essa luta. Precisamos de apoio de todos os trabalhadores. Temos que pensar nos futuros dos nossos filhos”, disse Silvana.
As atividades da manhã se encerraram na esquina da Avenida Júlio de Castilhos com a Doutor Montaury, com entrega de material informativo e diálogo com a população. “Está registrada a nossa força de luta. Não podemos, em hipótese nenhuma, retroceder. Não existe na agenda dos trabalhadores espaço para a redução de direitos. Estamos sendo chamados, neste momento, à conscientização sobre as consequências no mundo do trabalho caso esses projetos sejam aprovados”, explica o diretor do Departamento dos Aposentados e ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Jorge Rodrigues.
O presidente da CTB-RS, Guiomar Vidor, avaliou o movimento como positivo tendo em conta que houveram paralisações de várias categorias em diversos setores. “O transporte coletivo teve uma paralisação parcial. Atingimos o objetivo proposto de dialogar com a sociedade e denunciar o pacote de maldades que o Governo Temer quer impor aos trabalhadores. O dia de hoje serviu como um instrumento de preparação para uma grande mobilização que deve acontecer em breve convergindo numa greve geral”, afirmou Vidor.
Fonte: Portal CTB

Nenhum comentário:

Postar um comentário