quarta-feira, 6 de maio de 2015

Integrantes da banda New Hit são condenados a 11 anos e oito meses de prisão por estupro

Nove integrantes da banda foram condenados por abusar sexualmente de duas adolescentes, dentro do ônibus do grupo, em agosto de 2012. Um ex-policial também foi condenado por conivência com o crime
As duas garotas eram fãs dos músicos e foram abusadas sexualmente dentro do ônibus da banda, após um show na cidade baiana de Ruy Barbosa, em agosto de 2012. Os integrantes Alan Aragão Trigueiros, Edson Bonfim Berhends Santos, Eduardo Martins Daltro de Castro Sobrinho, Guilherme Augusto Campos Silva, Jefferson Pinto dos Santos, Jhon Ghendow de Souza Silva, Michel Melo de Almeida, Weslen Danilo Borges Lopes e William Ricardo de Farias foram acusados de prática de estupro qualificado e denunciados à Justiça pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA).
Os nove integrantes da banda de pagode New Hit, acusados de estuprar duas adolescentes dentro de um ônibus em 2012, foram condenados pela Justiça da Bahia a 11 anos e oito meses de prisão nesta quarta-feira.
As duas garotas eram fãs dos músicos e foram abusadas sexualmente dentro do ônibus da banda, após um show na cidade baiana de Ruy Barbosa, em agosto de 2012.
Os integrantes Alan Aragão Trigueiros, Edson Bonfim Berhends Santos, Eduardo Martins Daltro de Castro Sobrinho, Guilherme Augusto Campos Silva, Jefferson Pinto dos Santos, Jhon Ghendow de Souza Silva, Michel Melo de Almeida, Weslen Danilo Borges Lopes e William Ricardo de Farias foram acusados de prática de estupro qualificado e denunciados à Justiça pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA).
De acordo com a sentença, proferida pela juíza Márcia Simões Costa, o ex-policial militar Carlos Frederico Santos de Aragão, acusado de conivência com o crime e exonerado da coorporação à época da denúncia, também foi condenado a mesma pena dos músicos da banda.
Conforme a denúncia do Ministério Público, o crime aconteceu na madrugada do dia 26 de agosto de 2012, no centro da cidade de Ruy Barbosa, a 320 quilômetros de Salvador.As duas adolescentes tinham 16 anos à época.
Após entrarem no veículo da banda para tirar fotos e pegar autógrafos, as jovens foram vítimas dos abusos. A denúncia apontou que foi praticado, mediante extrema violência, por repetidas vezes e em alternância, conjunção carnal e diversos atos libidinosos.
Durante o processo, além das duas vítimas e dez acusados, foram ouvidas 12 testemunhas arroladas pela acusação, por meio do Ministério Público, e 53 testemunhas de defesa.
Fonte: Jornal Estado de Minas

Nenhum comentário:

Postar um comentário