domingo, 5 de julho de 2015

Evelyne, a senegalesa que aprendeu português graças ao Exaltasamba

MigraMundo inicia parceria de conteúdo com a Cáritas RJ, na qual é autorizado a divulgar e reproduzir as histórias de refugiados acolhidos pela entidade. Com isso, a ideia é ajudar ampliar o máximo possível a divulgação do tema do refúgio no Brasil, que infelizmente ainda é bastante desconhecido.
Em abril de 2013, Evelyne chegou ao Brasil. Nascida no Senegal, ela fugiu de casa porque sua família queria casá-la com um abastado chefe religioso, contra sua vontade. Após sofrer castigos físicos diários da própria mãe, a jovem pagou uma pessoa para colocá-la em um navio rumo a Santos. Ela achava que estava indo para a Espanha. Por sorte, encontrou um senegalês que lhe pagou uma passagem para Caxias do Sul (RS).
“Aprendi português graças ao Exaltasamba. Eu ouvia as músicas com um dicionário na mão. O meu sonho é conhecer o Péricles.”
Em abril de 2013, Evelyne chegou ao Brasil. Nascida no Senegal, ela fugiu de casa porque sua família queria casá-la com um abastado chefe religioso, contra sua vontade. Após sofrer castigos físicos diários da própria mãe, a jovem pagou uma pessoa para colocá-la em um navio rumo a Santos. Ela achava que estava indo para a Espanha. Por sorte, encontrou um senegalês que lhe pagou uma passagem para Caxias do Sul (RS).
“Dou graças a Deus por ter chegado sã e salva e por ter encontrado alguém que tenha me ajudado.”
No Sul, Evelyne conseguiu emprego em um restaurante, mas após 8 meses decidiu largar tudo para retomar os estudos. No Senegal, ela tinha cursado um semestre de Letras. No Brasil, a exigência do vestibular e o valor das mensalidades abalaram seus planos, mas não o suficiente para que ela desistisse. A mudança para o Rio foi uma aposta. Solicitante de refúgio, a senegalesa está trabalhando como camelô para juntar dinheiro, mas se matriculou em um curso técnico de informática “para sair da rua”. O desejo, porém, é passar no vestibular e fazer uma faculdade.
Sou jovem, tenho 23 anos. Quero estudar para ter uma boa carreira. Porque um dia eu me caso, fico dependente do marido e depois ele me larga. Quero ter um bom trabalho para ajudar meus seis irmãos que ficaram no Senegal. E minha mãe também. Porque, apesar de tudo, ela é minha mãe. Adoraria voltar um dia ao Senegal e que ela entendesse por que tomei essa decisão. Estou sozinha no Brasil.”
Fonte: Migra Mundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário