quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Escancarado: Sérgio Moro sorri com Aécio e participa de evento do PSDB

Um dos políticos mais citados nas delações da Operação Lava Jato, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) confraternizou com o próprio comandante da operação da Polícia Federal, o juiz Sérgio Moro. Eles participaram de um evento público e foram vistos em uma conversa bem agradável com direito à risadas. A cena foi registrada e gerou repulsa de parlamentares e representantes dos movimentos sociais. Na última segunda-feira (5), o juiz federal já havia participado de um evento do PSDB no Mato Grosso.

A Líder da oposição na Câmara dos Deputados, Jandira Feghali (PCdoB-RJ) publicou, inconformada."Olhem esta foto na entrega do prêmio Isto É. Será que explica porque nao tem tucano preso, apesar das delações?".
A senadora Gleisi Hoffmann (PT-RS) compartilhou a imagem com a frase: "Prêmio IstoÉ personalidades do ano. Boa noite!". O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) também questionou a cena. "Do que riem tanto o 'justiceiro' alçado a 'herói nacional' e o candidato derrotado em 2014 - e recordista em citações na investigação comandada pelo primeiro?".

A presidente da União Nacional dos Estudantes,Carina Vitral, também se comoveu: "A imagem vale por mil palavras".

Denúncias contra Aécio
Nos áudios gravados clandestinamente pelo ex-presidente da Transpetro Sergio Machado, Aécio também aparece com destaque. "Aécio está com medo", diz o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) a Machado sobre a delação de Delcídio.

Em um outro trecho das gravações, Machado conversa com o também senador Romero Jucá (PMDB-RR) e pergunta: "Quem não conhece o esquema do Aécio?".

Mais recentemente, Aécio teria manobrado para aprovar, no Senado, o regime de urgência para a tramitação do pacote anticorrupção aprovado na Câmara, desfigurado pelos deputados. Segundo reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, Aécio foi o primeiro a articular a urgência da votação e o PSDB prometeu votos no requerimento, mas não cumpriu. Isso teria ocorrido por conta da forte reação contrária da sociedade e de alguns senadores no plenário.

Premiados pela Revista IstoÉMoro foi eleito o "Brasileiro do Ano na Justiça". O prêmio principal da noite, de "Brasileiro do Ano" em todas as áreas, foi para Michel Temer. Nenhuma surpresa. Nos últimos meses, a revista passou a adotar um tom laudatório para tratar Temer, e chegou a afirmar que o PMDB era a "nau mais segura" para "recolocar o País nos trilhos".

Evento do PSDB
O juiz Sérgio Moro, da primeira instância da Justiça Federal no Paraná, deixou o seu Estado e seu trabalho na última segunda-feira (5) para atender a uma agenda política em Cuiabá, capital de Mato Grosso. Ele foi ao Centro-Oeste do país atendendo a um convite do governador Pedro Taques (PSDB), e discursou em evento comemorativo de lançamento de um site da administração tucana local.

Já o juiz Moro aproveitou o palanque que o governador tucano lhe concedeu para criticar, mais uma vez, o projeto de lei que visa punir os abusos e erros cometidos por autoridades judiciais, policiais e do Ministério Público. Aproveitou, também, para elogiar um deputado tucano, Nilson Leitão (PSDB-MT), que votou contra o projeto de lei que visa regular a ação das autoridades. 

"Não gosto de falar mal de ninguém, mas vendo a lista dos deputados federais desse Estado, um único deputado votou contra essa emenda de criminalização de juízes. Não é política partidária. Então, vou me permitir falar bem do Nilson Leitão", disse o juiz.

Moro só não disse que o parlamentar por ele elogiado foi recentemente citado em delação premiada do empresário Giovani Guizardi, que afirmou que o deputado recebeu dinheiro desviado de esquema fraudulento na Secretaria de Estado de Educação, em episódio investigado pela chamada Operação Rêmora, do Ministério Público em Mato Grosso.

Sérgio Moro palestrou no Espaço Ágora, no Hotel Gran Odara, em Cuiabá. O governo estadual não informou quanto custou aos cofres públicos a ida do juiz de primeira instância a Mato Grosso.

Reação de Lula


Ao saber da participação de Moro em evento do PSDB, o ex-presidente Lula denunciou o juiz federal Moro, que decide os processos em primeira instância da Operação Lava Jato, de ser militante do PSDB. "Magistrado que julga Lula é o mesmo que é chamado para dar palestra em evento do governo do PSDB e que elogia deputado tucano acusado de desviar dinheiro de secretaria estadual de Educação", diz texto publicado na página de Lula no Facebook.

Nenhum comentário:

Postar um comentário