terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Socorro Gomes: luta pela paz é ampla e revolucionária

Em participação na 9ª Reunião do Comitê Central — realizada nos dias 10 e 11 de dezembro -, a responsável do PCdoB na frente de Solidariedade e Luta pela Paz, Socorro Gomes, fez uma análise das atividades realizadas na área.

Segundo Socorro, a luta pela Paz e a solidariedade internacional, estão indissoluvelmente ligadas ao combate contra a dominação imperialista que impõe à humanidade inauditos sofrimentos.

Capitaneados pelos EUA, os países imperialistas impõem o terror das armas contra nações que não se submetem ao seu jugo. Fortalecem os seus instrumento de guerra como a Otan, organização que já tem na sua folha corrida inúmeros crimes de lesa-humanidade, como foi a invasão e destruição da antiga Iugoslávia, o Iraque com centenas de milhares de mortos, o Afeganistão e recentemente a Líbia, cuja invasão culminou com a tortura e o assassinato do chefe de Estado, Muamar Kadafi, além dos milhares e milhares de civis mortos. É imensa a lista de atrocidades da maior potência imperialista, inimiga dos povos e maior ameaça à Paz.

“O senso comum induz a afirmação de que tais conflitos ocorrem em realidades distantes da nossa. No entanto, a região em que o Brasil está inserido, embora não seja no momento alvo direto de agressões, vem sofrendo nos últimos anos um verdadeiro cerco militar. Existem na atualidade iniciativas diretas das potências imperialistas para militarizar as águas do Atlântico Sul. Entre estas iniciativas está a reativação da Quarta Frota, por parte da marinha de guerra dos EUA, que se soma às constantes tentavas de fazer com que a Otan opere nestas águas. Além disto, é preciso sempre lembrar as tentativas de ampliar a presença militar estadunidense na região amazônica, o que se torna patente com a instalação de bases militares na Colômbia”, enfatiza.

A responsável do CC pela frente explica que para além das armas nucleares, uma grave ameaça à própria existência humana, a indústria bélica, se moderniza, somam-se os armamentos mais sofisticados, como os aviões não tripuláveis (Drones), os mísseis , os escudos anti-mísseis, impondo uma era de insegurança para toda a humanidade.

“Neste contexto a bandeira da Paz tem um apelo inquestionável, pois é um anseio profundo dos povos e uma necessidade para o desenvolvimento das nações. Podemos afirmar que a luta pela Paz tem um conteúdo amplo e revolucionário”.

“Com esta concepção é que trilhamos o caminho percorrido desde que iniciamos a construção, em 2004, segundo orientação do Comitê Central, de fortalecer a atuação dos comunistas nesta frente” reforça.

Socorro enfatiza que os comunistas brasileiros possuem uma rica tradição na luta pela Paz e na solidariedade com povos em todo o mundo. Nos anos 1950, o apelo de Estocolmo, do Conselho Mundial da Paz, contra as armas nucleares, que propunha fosse considerado crime o uso das armas nucleares, e criminosa a nação que por primeiro as utilizassem contra qualquer outro país, recebeu no Brasil 4 milhões de assinaturas. Nas décadas subsequentes nosso Partido sempre esteve à frente de lutas contra as agressões imperialistas aos povos.

“Atuamos em conjunto com outros partidos políticos e organizações do movimento social em campanhas de forte conteúdo anti-imperialista e em defesa da soberania das nações, como a campanha “Fora bases militares estrangeiras” que aglutina mais de 100 organizações, entre elas a CTB, CUT, MST, UNE, Ubes, UBM , organizações de diversos países do nosso continente, da América do Norte ao Sul da América Latina, do Rio Bravo à Patagônia. Participamos também da campanha pelo desmantelamento da Otan e pela abolição das armas nucleares”.

A frente tem buscado reforçar a organização do movimento pela paz nos diversos estados brasileiros, com atuação na frente de solidariedade e denúncias das agressões aos povos. Merece destaque especial a solidariedade ao povo palestino e ao povo cubano.

Ela analisa ainda que, por ser um movimento “geral” sem uma agenda de reivindicações “concretas”, há certo sobe e desce nas atividades, e observam-se dificuldades para consolidar uma militância própria, o que é um desafio que exige criatividade e determinação constante.

Na conjuntura de escalada das agressões imperialistas contra os povos, cresce o desafio para os comunistas de ampliar as ações de massas de denúncia das guerras e violações aos direitos, à soberania e autodeterminação dos povos, buscando elevar a consciência anti-imperialista e fortalecer a cultura internacionalista e solidária.

“Para termos um maior êxito, é necessário fortalecer as alianças com as organizações populares, especialmente com os trabalhadores, que sofrem direta e agudamente as consequências da crise do capitalismo e das agressões imperialistas; com as entidades juvenis e de estudantes. Ainda estamos aquém dos grandes desafios de construirmos um grande movimento de massas antiguerra, pela Paz”.

Socorro enfatiza que a frente tem um “amplo horizonte e a avaliação serena de que o movimento pela paz está em crescimento e ganha prestígio nos movimentos populares e entre setores da intelectualidade progressista”, protagonizando ações no Fórum Social Mundial e tornando-se referência na luta internacionalista no movimento social brasileiro e latino-americano.

A solidariedade com os povos em luta tem tido destaque na nossa atuação. “Em especial, participamos dos principais eventos de solidariedade com a revolucionária Cuba e na campanha pela libertação dos cinco heróis cubanos presos nos cárceres dos EUA”. Igualmente, temos tido participação destacada nas atividades em apoio ao povo palestino, inclusive integrando delegações de movimentos políticos e sociais Palestina.

A frente de solidariedade e paz tem sistematicamente publicado textos, cartilhas, folhetos, livros e vídeos, com o intuito de fortalecer o debate de ideias no sentido de vincar a cultura da Paz e solidariedade

Para o próximo ano há o desafio de consolidar o trabalho nesta frente, ampliando sua militância, reforçando no terreno organizativo, massificando as ações e elevando o grau da consciência anti-imperialista.

“Uma das dimensões mais importantes da nossa atividade nesta frente é o âmbito internacional. Os comunistas brasileiros sempre compreenderam a importância de apoiar as iniciativas do Conselho Mundial da Paz, organização respeitada por forças progressistas de diversos países, inclusive por governantes do campo socialista. Suas conferências e seminários recebem a presença de chefes de Estados e governos”.

O Conselho Mundial da Paz tem realizado importantes eventos e campanhas, destacadamente a campanha pelo desmantelamento da Otan, a luta pela abolição das armas nucleares, pelo fim das bases militares estrangeiras em territórios de países soberanos, pelo fim das guerras imperialistas de ocupação e diversificadas ações de solidariedade com os povos ameaçados e agredidos.

O internacionalismo e a solidariedade aos povos fazem parte da essência da linha política e ideológica do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), sendo, portanto, tarefa de todos os militantes, quadros e dirigentes.

Video sobre o assunto:
 
Portal PCdoB


Nenhum comentário:

Postar um comentário