segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Executado na frente da mulher e do filho

Três PMs foram presos suspeitos de envolvimento na morte de jovem; corporação alega que policial agiu em legítima defesa


Três policiais militares foram presos em flagrante suspeitos de executar com três tiros um rapaz de 20 anos, na noite do último sábado, no bairro Lindeia, no Barreiro, em Belo Horizonte. O ajudante de transporte de carga Alex de Faria Diniz teria morrido na frente da sua mulher e do filho do casal, de oito meses. No velório, ontem, parentes e amigos da vítima cobravam uma apuração rigorosa do caso.

Na versão da Polícia Militar, o rapaz estava armado na rua onde mora, quando foi flagrado por um policial à paisana. O militar teria mandado o jovem entregar o revólver calibre 38, mas ele se negou e houve troca de tiros. Outras viaturas foram acionadas. "O suspeito entrou em casa e fez a mulher e o filho reféns. Depois, jogou as vítimas contra os PMs e tentou fugir, mas acabou baleado", explica o tenente-coronel Carlos Alberto Sacramento, comandante da 1° Companhia Independente de Missões Especiais.

Conforme Sacramento, o tiroteio envolveu, além do policial à paisana, dois militares fardados. Os três foram presos, tiveram as armas apreendidas e devem responder a um Inquérito Policial Militar (IPM). "Eles agiram em legítima defesa. Para não restar dúvidas, o caso será apurado com rigor", disse.
FamíliaPara os parentes de Diniz, não restam dúvidas de que o rapaz foi executado. Segundo a versão da família, o jovem estava sentado na porta de casa quando o policial à paisana passou de moto e iniciou uma discussão. Ainda conforme os parentes da vítima, havia pelo menos dez policiais na invasão.

"Os dois trocaram tiros, e ele (Diniz) entrou em casa. Depois, com apoio de vários militares, o portão foi arrombado e o apartamento invadido", conta o tio da vítima, o vendedor Marcelo da Silva Faria, de 32 anos. Segundo ele, o sobrinho foi morto na cozinha e não usou a mulher e o filho como reféns. "Isso é uma mentira usada para acobertar a execução", acusa.

De acordo com Faria, a confusão envolvendo o policial, conhecido como Leandro, começou, há cerca de duas semanas, em um supermercado. "O policial criou encrenca com Alex, sem motivo. Quatro dias depois, atirou quatro vezes contra o carro dele, por isso, ele comprou uma arma para se defender. Agora, foi morto. Queríamos uma resposta para os motivos do assassinato já que meu sobrinho não tinha envolvimento com a criminalidade", afirma o vendedor.

Fonte texto: Super Noticias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário