quinta-feira, 17 de março de 2016

Bolsonaro presidente e o futuro da esquerda no Brasil

Independentemente do que aconteça daqui em diante na política brasileira, temos visto o resgate de uma narrativa (que imaginávamos morta e enterrada) que justifica o ataque aos direitos humanos sob o argumento insano de que são “coisa de comunista''. Ou seja, o pacote de direitos, que em sua formulação contemporânea se deu sob clara inspiração liberal, ganha outra conotação na mente de gente mal informada – ou mal intencionada.

A efetivação de direitos civis, políticos, sociais, econômicos e culturais a grupos excluídos vem sendo julgada em praça pública com o argumento de que “criam discórdia onde antes havia paz'' ou “geram divisões onde tudo funcionava bem''. Funcionava bem para quem? Como se o Estado brasileiro tivesse sido capaz de garantir um mínimo quinhão de Justiça a todos seus filhos e filhas indiscriminadamente.

E pelos registros que remontam ao momento em que o primeiro índio foi escravizado por um homem branco, temos visto que esse não foi o caso.
Independentemente do que aconteça daqui em diante na política brasileira, temos visto o resgate de uma narrativa (que imaginávamos morta e enterrada) que justifica o ataque aos direitos humanos sob o argumento insano de que são “coisa de comunista''.
Ou seja, o pacote de direitos, que em sua formulação contemporânea se deu sob clara inspiração liberal, ganha outra conotação na mente de gente mal informada – ou mal intencionada.
A efetivação de direitos civis, políticos, sociais, econômicos e culturais a grupos excluídos vem sendo julgada em praça pública com o argumento de que “criam discórdia onde antes havia paz'' ou “geram divisões onde tudo funcionava bem''. Funcionava bem para quem? Como se o Estado brasileiro tivesse sido capaz de garantir um mínimo quinhão de Justiça a todos seus filhos e filhas indiscriminadamente.
E pelos registros que remontam ao momento em que o primeiro índio foi escravizado por um homem branco, temos visto que esse não foi o caso.
Bem ou mal, aos trancos e solavancos, PSDB e PT, que são frutos do mesmo caldo do processo de redemocratização do país, atuaram para garantir esses direitos – sempre em resposta às mobilizações sociais e à resultante da correlação de forças internas em cada partido. E, claro, ambos foram muito competentes em erodi-los também, claro, em nome da governabilidade ou de suas próprias ignorâncias.  A democracia representativa é cheia de defeitos mas, com seus freios e contrapesos, ainda é melhor do que a tirania que pode ser imposta por pessoas que cheguem ao poder desprezando os direitos fundamentais.
O Brasil, desde a redemocratização, contou com figuras exóticas em suas eleições presidenciais. As votações que recebiam eram um misto de protesto contra a política tradicional e uma certa empatia, por vezes envergonhada, com suas propostas simplistas.
Um exemplo são as eleições de 1994, quando FHC bateu Lula no primeiro turno e Enéas Carneiro – conhecido pela defesa caricatural de propostas conservadoras (como a construção de uma bomba atômica) nos poucos segundos aos quais seu partido (Prona) tinha direito – ficou em terceiro com 4,7 milhões de votos (7,37% do total).
Não contavam com chances reais, claro. E seres como Levy “Aparelho Excretor Não Reproduz'' Fidelix eram considerados café-com-leite.
Escrevi aqui, no começo do ano passado, que Donald Trump era um sério candidato à Casa Branca. Na época, muitos amigos disseram que eu estava alucinando por conta de um algum chá de lírio ruim, mas o tempo – infelizmente – me deu razão.
Trump ocupou um espaço de porta-voz de um grupo grande de pessoas, dando espaço a público insatisfeito que se vê acuado diante do discurso de que muito do que lhes foi ensinado no que diz respeito aos seus direitos, deveres e limites agora precisa ser revisto para incorporar mudanças. Pessoas comuns que vêem seus queridos preconceitos que, em muitos casos, são valores em torno dos quais comunidades se reúnem, serem atacados.
Trump aparece agora dizendo que essa parcela não precisa se sentir dessa forma, nem se adaptar. Basta lutar contra a ditadura do “politicamente correto'' – o que é outro grande equívoco. Pois se essa ditadura existisse, não haveria sem-tetos, gente passando fome, mulheres negras ganhando menos do que homens brancos, nem pessoas mortas por amar alguém do seu jeito.
Mas Trump, pertencente à fauna novaiorquina, e já tendo, inclusive, sido próximo de figuras importantes do partido democrata, como o casal Hillary e Bill Clinton, tem uma cabeça mais plural do que o pessoal do Tea Party, a ala mais conservadora do Partido Republicano. Ele é pragmático, não dogmático. Está fazendo de tudo para chegar lá, dizendo o que seus eleitores querem ouvir e não necessariamente o que pensa.
Há políticos no Brasil que eram vistos de forma caricatural há alguns anos, como o deputado federal Jair Bolsonaro. Hoje, é referência para os ultraconservadores tradicionais e para os que saíram do armário recentemente. E, por conta da extrema polarização, tornou-se importante para um grupo significativo que o vê como “aliado'' diante de um “inimigo'' comum, o governo federal e sua corrupção.
Uma simplificação perigosa que desconsidera que há muita coisa (boa e ruim) tanto à esquerda do PT quanto à direita do PSDB (não estou afirmando que o PT esteja na esquerda nem que o PSDB na direita, pois desconfio que ambos os partidos, hoje, nem saibam mais onde estão).
Como os principais partidos políticos não se esforçam para garantir mais participação popular, o governo e a oposição derrapam em dar respostas para a retomada do crescimento econômico e a vida do brasileiro (principalmente o mais pobre) vai piorando a olhos vistos, vamos assistindo ao crescimento de discursos que bradam que partidos são desnecessários. E que a própria democracia é questionável.
A democracia representativa é cheia de defeitos mas, com seus freios e contrapesos, ainda é melhor do que a tirania que pode ser imposta por aventureiros que cheguem ao poder.
A depender de como se desenrolar a crise política, as eleições de 2018 (se o TSE cassar a chapa presidencial a partir do ano que vem, teremos eleições indiretas para presidente via Congresso Nacional) podem trazer surpresas que canalizem discursos extremamente conservadores e coloquem em cheque direitos conquistados, chamando garantias sociais de privilégios.
Trumps e Bolsonaros não são idiotas, pelo contrário. Falam o que falam porque sabem que muita gente irá aplaudi-los por isso. Contam com recursos para se fazerem conhecidos e ventilar suas ideias. Tem o aparente frescor da novidade – mesmo que sua narrativa esteja no poder desde que os brancos chegaram ao continente americano.
Sabem conversar com um público que quer saídas rápidas e fáceis para seus problemas econômicos e que precisam de alguém que lhes entregue uma narrativa consistente para poderem tocar suas vidas – narrativa que os partidos tradicionais solapam em oferecer. E não precisam ganhar nada. São azarões e portanto livres para fazerem o que for preciso para ganhar.
Não estou dizendo que Trump e Bolsonaro são iguais, muito longe disso. Trump tem uma assessoria genial para comunicação, cada linha de seus discursos é um tuíte pronto para ser lançado. Nem que o segundo tenha chances reais em 2018. Por isso mesmo, nem mesmo imagino que ele vá, na hora H, aceitar perder seu foro privilegiado abrindo mão de disputar a reeleição para deputado federal. Mas ambos ocupam um vazio. E Bolsonaro teria, na minha opinião, uma votação mais expressiva do que aquelas de Enéas Carneiro. E não seria visto simplesmente como louco.
Ou seja, o problema não são eles. Mas o que eles representam.
O interessante, porém, é que a mesma insatisfação com a política tradicional e a mesma crise das narrativas que alçaram a candidatura de Donald Trump à viabilidade, também produziram Bernie Sanders, praticamente um “independente'' que corre pelo Partido Democrata. A indicação do autointitulado “socialista democrata'', que está em segundo nas primárias, é mais difícil que a de Hillary Clinton. De qualquer forma, ele já provocou mudanças no discurso da favorita, empurrando-o mais para a esquerda. Ambos são dois lados da mesma moeda.
A esquerda no Brasil terá um representante ou uma representante, em 2018, capaz de aglutinar a insatisfação e defender a plena efetivação dos direitos humanos? Conseguirá se organizar, talvez agora sob as bases dos novos movimentos sociais urbanos, com estruturas arejadas, horizontais e jovens – capazes de fazer frente ao desafio de atuar fora do Estado e, ao mesmo tempo, disputar seu significado e suas prioridades? Poderá construir uma nova narrativa que desperte o sonho e o engajamento?
Ou estaremos mesmo fadados a mais de uma década de um sombrio macarthismo, repaginado e adaptado, que se desenha adiante?

Nenhum comentário:

Postar um comentário