quarta-feira, 8 de março de 2017

MTST e governo se reúnem após 3 semanas de "Ocupa Paulista"

Representantes do Movimento e Ministério das Cidades abrem negociação nesta quarta-feira (8)
Quem passou em frente ao escritório da Presidência da República na Avenida Paulista, na altura do metrô Consolação, em São Paulo, encontrou um cenário diferente do habitual nas últimas semanas. Barracas, lonas e cartazes constroem a ocupação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) desde o dia 15 de fevereiro. O movimento se posiciona contra a suspensão da construção de 35 mil unidades de moradias do programa Minha Casa, Minha Vida Entidades, que prejudicou principalmente famílias com renda de até dois salários mínimos, que se enquadram na faixa 1 do programa.
Quem passou em frente ao escritório da Presidência da República na Avenida Paulista, na altura do metrô Consolação, em São Paulo, encontrou um cenário diferente do habitual nas últimas semanas.
Barracas, lonas e cartazes constroem a ocupação do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) desde o dia 15 de fevereiro. O movimento se posiciona contra a suspensão da construção de 35 mil unidades de moradias do programa Minha Casa, Minha Vida Entidades, que prejudicou principalmente famílias com renda de até dois salários mínimos, que se enquadram na faixa 1 do programa.
“Hoje completamos 21 dias de resistência no ‘Ocupa Paulista’. Exigimos a retomada do Minha Casa, Minha Vida na faixa 1, que é pra quem mais precisa. A ocupação persiste e resiste até termos conquistas. A partir da nossa mobilização e pressão, conseguimos uma reunião com o Ministério da Cidades para esta quarta-feira (8), em que a pauta do movimento será tratada”, afirma Guilherme Boulos, da coordenação nacional do MTST, em entrevista à Caros Amigos.
De acordo com a organização do Movimento, cerca de 400 pessoas circulam pelo acampamento todos os dias, onde ocorrem oficinas, aulas públicas, formação política, apresentações de teatro e shows. Além das famílias que moram nos mais de 20 acampamentos da Grande São Paulo, ativistas, intelectuais, professores e artistas, compareceram em apoio à ocupação, entre eles a cartunista Laerte, os rappers Criolo e Emicida, o deputado estadual Marcelo Freixo (PSol) e Laura Carvalho. 
(Des)governo Temer
Segundo Michel Navarro, da coordenação estadual do MTST, a última reformulação do governo Temer para o Minha Casa, Minha Vida Entidades anunciou a construção de 610 mil unidades de moradias. Dessas, mais de 400 mil serão construídas para atender as faixas dois e três do programa,  sendo que o teto de renda mensal para famílias da faixa 2 aumentou de R$ 3,6 mil para R$ 4 mil e o da faixa 3 aumentou de R$ 6 mil para R$ 9 mil. Enquanto isso, para as famílias da faixa 1, o teto de renda mensal é de R$ 2.350.
“É claramente uma guinada de transformação do Minha Casa, Minha Vida em um programa de crédito imobiliário para a classe média. O programa deve atender a necessidade de moradias populares, ou seja, é um programa com cunho social e eles estão o descaracterizando totalmente”, ressalta Navarro. Para ele, o congelamento da construção de moradias é uma sinalização clara de que o governo em exercício não aceita conquistas de famílias organizadas por movimentos sociais. “Cerca de 80% do déficit habitacional no Brasil está na renda de até três salários mínimos, que é o que cobre a faixa 1, e é justamente esta que estão enxugando. Faz parte de todo um processo de ataque aos trabalhadores. É uma tentativa de minar o já frágil programa de habitação popular que temos”, complementa.
Na opinião de Guilherme Boulos, as ações do governo em exercício se concretizam como uma continuidade do golpe no País. “Não se trata apenas de termos um presidente que não foi eleito pelo povo brasileiro. É um projeto em curso que não foi eleito e jamais seria. Envolve o fim da aposentadoria, ataques aos direitos trabalhistas, congelamento de programas sociais como o Minha Casa, Minha Vida. Além da luta por moradia, o MTST e a Frente Povo Sem Medo tem enfrentado e se posicionado contra o conjunto de retrocessos desse governo”.
Norma Moreira dos Santos, responsável pela barraca de vendas de camisetas do Movimento na ocupação, é militante do MTST há dez anos e afirma que acampar na Avenida Paulista é uma experiência nova e positiva. “Conseguimos mostrar pros ‘poderosos’ como conseguimos montar um acampamento de rua e lutar pelos nossos direitos de forma organizada”, conta Norma, que já conquistou sua moradia há 5 anos mas está todos os dias no “Ocupa Paulista”. “Cada companheiro que conquista uma moradia, é como se eu também tivesse outra conquista. Não me acomodei. A luta vai muito além de um simples apartamento ou casa, é por direitos fundamentais que nós temos e ‘eles’ fingem que não sabem. É nosso dever mostrar isso pro povo”, comenta a militante.
Para o 8 de março deste ano, Dia Internacional da Mulher, as acampadas irão sair em marcha na Avenida Paulista, compondo o ato organizado pelo 8M Brasil, que faz parte da  greve internacional de mulheres. A manifestação se inicia às 16h desta quarta-feira (8), com ponto de encontro no Museu de Artes de São Paulo. “Vai ser um 8 de março especial. Vamos nos juntar, mostrar que a mulherada está na rua se conscientizando cada vez mais, mostrando que tem seu espaço na sociedade. A mulher não é só do lar. Ela é da luta feita no dia a dia, da rua”, diz Norma.
Intolerância e criminalização
A cozinha do acampamento produz quatro refeições diárias para 400 pessoas, em média, com alimentos doados por outros movimentos e apoiadores que passam pelo local. Mas, mesmo que a solidariedade se destaque, assim como em outras ocupações do Movimento, o “Ocupa Paulista” tem sofrido tentativas de criminalização.
“O Movimento Brasil Livre (MBL) é um dos que tentam difamar a luta. Vieram aqui, filmaram, fabricaram uma reportagem de modo totalmente arbitrário. Mas sabemos que incomodamos esse grupos, aliás, se não incomodássemos, algo estaria errado. O importante é o diálogo que estamos traçando aqui na Paulista. A solidariedade dos trabalhadores que passam por aqui é imensa”, comenta Navarro, que vê o acampamento como uma possibilidade de comunicação do Movimento com a sociedade. “Estamos na principal avenida do centro financeiro do País. Saímos da invisibilidade reivindicando nossos direitos. Isso incomoda muita gente, principalmente esses grupos de direita que vem se fortalecendo no mundo virtual, mas esse acampamento é a expressão de uma resistência que pretende se ampliar durante esse governo ilegítimo”, continua.
Em 17 de janeiro deste ano, durante processo de reintegração de posse da Ocupação Colonial, em São Mateus, zona leste de São Paulo, Guilherme Boulos foi detido, o que o movimento considerou uma perseguição política. “A tentativa de criminalização das lideranças e dos movimentos sociais não vem de hoje, é algo histórico no País. Com esse governo as coisas pioram porque não há abertura para atender movimento social.  Em um momento de crise, desemprego, o povo vai cada vez mais pra rua pra reivindicar. Se estamos mobilizados por direitos, e o governo não dialoga, o que resta é a criminalização e repressão. Nossa resposta a isso é continuar resistindo. Não vamos sucumbir e nos intimidar diante de ameaças e criminalizações, o que quer que seja”, conclui Boulos.
Fonte: Caros Amigos

Nenhum comentário:

Postar um comentário