segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Pró-Esia - Fábrica de Versos... FEIRA DE DISCOS DE VINIL, EM SANTOS, BOMBA AO REUNIR VÁRIAS TRIBOS

Passou por lá gente de tudo que é jeito. Desde vetustos senhores, famílias inteiras, metaleiros de preto e cabelos compridos, músicos, colecionadores e muitos mais. O que os une e os transforma, de tantas tribos em uma só, é um único objeto do desejo que se desdobra por ali em cores múltiplas e sons variados: o disco de vinil. Aquele mesmo antigo bolachão que você vê na coleção de seu pai e não sabe direito o que é e nem para que serve.
Passou por lá gente de tudo que é jeito. Desde vetustos senhores, famílias inteiras, metaleiros de preto e cabelos compridos, músicos, colecionadores e muitos mais.
O que os une e os transforma, de tantas tribos em uma só, é um único objeto do desejo que se desdobra por ali em cores múltiplas e sons variados: o disco de vinil.
Da Redação
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas em pé e chapéu
Laert Sarrumor e Kid Vinil com o novo disco do Língua de Trapo “O Último CD da Terra”
Passou por lá gente de tudo que é jeito. Desde vetustos senhores, famílias inteiras, metaleiros de preto e cabelos compridos, músicos, colecionadores e muitos mais. O que os une e os transforma, de tantas tribos em uma só, é um único objeto do desejo que se desdobra por ali em cores múltiplas e sons variados: o disco de vinil. Aquele mesmo antigo bolachão que você vê na coleção de seu pai e não sabe direito o que é e nem para que serve.
Em plena era do streaming, onde a música gravada pode ser encontrada facilmente em serviços pagos – e até alguns gratuitos – não deixa de ser surpreendente que uma feira de discos, sobretudo de vinil, reúna tanta gente. A Feira de Discos de Santos, na galeria Campos Eliseos, na Praça Independência, no bairro do Gonzaga, em Santos, já está em sua quarta edição e tem sido, de acordo com participantes e organizadores, um sucesso muito além das expectativas.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
Muitos LPs, a menina dos olhos dos frequentadores
Nesta quarta edição, pela segunda vez, quem discotecava era o cantor, compositor e produtor Kid Vinil. Figura lendária entre aficionados pelo disco, Antônio Carlos Senefonte, o Kid Vinil, exalava felicidade na frente de dois toca discos , onde só tocava “lixo”, de acordo com declaração dele próprio: “eu só toco coisa que ninguém conhece”, diz enquanto cai na gargalhada diante de uma pilha de compactos simples, na grande maioria pedras preciosas da década de 80 garimpadas por ele. “Já é a segunda vez que eu venho na feira e é muito legal. Toco os meus disquinhos e as pessoas vêm, ouvem, é demais”.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
Ofertas e gêneros de tudo o que é tipo
Ao lado de Kid, quem aparece para a surpresa dos transeuntes, é o compositor e líder da banda Língua de Trapo, Laert Sarrumor. Laert entrega para o seu amigo Kid Vinil o recém lançado “O Último CD da Terra”, do Língua, uma das bandas representantes da chamada Vanguarda Paulistana: “Eu sou suspeito pra falar, pois sou apaixonado por vinil. Acho que essas feiras são demais. Tem que manter a tradição viva. Vinil forever!”
Para o organizador da feira, Sérgio Dias – não confundir com o guitarrista dos Mutantes – a feira atende as expectativas. “Esta já é a quarta edição. Quando eu fiz a primeira, muita gente me falou que aqui em Santos o negócio não ia virar, não ia dar certo. E, ao contrário, a gente têm recebido muitas pessoas que gostam de discos, que gostam de vinil e a gente não sabia onde estavam”.
A imagem pode conter: 1 pessoa, área interna
Sérgio Dias, organizador da Feira de Discos de Santos
Durante a conversa Dias é interrompido diversas vezes. “Olha, eu tenho o primeiro disco do Som Imaginário, te interessa comprar?”, chama uma moça, enquanto um garoto pergunta se tem “Rust in Piece”, do Megadeth. Sérgio agradece e corre. O mesmo ocorre em todas as mais ou menos dez “barraquinhas” divididas em dois blocos da galeria.
Um dos mais entusiasmados é Fera, que tem uma loja de vivis nas proximidades. Para ele, a feira está “bem charmosa, bem legal, vários estilos musicais sendo vendidos. O vinil é uma coisa muito legal, a capa, o encarte, tudo tem arte, é bonito. As capas são marcantes. Muitas vezes as pessoas não sabem o que é, mas lembram da capa e vem aqui e compram”.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas
Fera: “A feira está bem charmosa”
Américo é dono de uma loja virtual. A feira, além de ser uma forma de divulgar o que faz é ótima para ter uma amplitude em relação às pessoas que atende. “A feira está ótima. Está rolando muito bem”, comemora.
Sentado num bar central, cercado por amigos e admiradores, está Johnny Hansen, o lendário guitarrista, compositor e cantor da banda Harry, que se notabilizou por ser precursora na música eletrônica na década de 80 e continua na ativa, com discos inovadores. “Eu sempre venho. Tirando uma que eu estava tocando em São Paulo em vim em todas. Eu trago uns discos meus, vendo, autografo e, apesar de não ter mais equipamento pra tocar vinil, gosto de olhas os discos, as capas, encartes, coisas diferentes”.
A imagem pode conter: 1 pessoa
Hansen exibe discos na Feira
A cantora Xandra Joplin (foto principal) é uma das mais animadas. A cover de Janis Joplin mais famosa do país transita em várias rodas, conversa, olha os discos, tira fotos e comemora: “Esta é a primeira vez que eu venho, é uma onda, encontrei vários amigos, eu tô muito feliz, curtindo o som do Kid Vinil e ainda vou levar uns disquinhos pra casa”, encerra sorrindo.
Serviço:
Feira de Discos de Santos
Local: Galeria Campos Eliseos, Praça Independência, Santos
Horário: Das 15h às 20h
Quando: Todos os segundos domingos do mês (confirmação pelo Facebook: https://www.facebook.com/events/1433585693349939/
Fonte:Spresso SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário