quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Disposição, câmera, ação! Refugiados são tema da nova temporada do Não Conta Lá em Casa

Ver o invisível, retratar o desconhecido, superar barreiras e preconceitos. A equipe do Não Conta Lá em Casa, programa de TV que encontra-se na 8ª temporada pelo canal pago Multishow, viaja para enfrentar locais ditos como inóspitos, perigosos e/ou mal vistos pelos brasileiros (e ocidentais de modo geral) a fim de mostrar aos telespectadores a realidade por trás de países que só aparecem nos noticiários quando em notícias de guerras, ataques terroristas ou catástrofes.
Ver o invisível, retratar o desconhecido, superar barreiras e preconceitos.
A equipe do Não Conta Lá em Casa, programa de TV que encontra-se na 8ª temporada pelo canal pago Multishow, viaja para enfrentar locais ditos como inóspitos, perigosos e/ou mal vistos pelos brasileiros (e ocidentais de modo geral) a fim de mostrar aos telespectadores a realidade por trás de países que só aparecem nos noticiários quando em notícias de guerras, ataques terroristas ou catástrofes.
Com o carimbo no passaporte de locais como Irã, Iraque, Afeganistão, Tuvalu, Mianmar, entre muitos outros, os rapazes do programa tem experiência em trazer para a televisão brasileira uma outra perspectiva sobre cenários pouco conhecidos. Pincelam o que ocorre nessas localidades, a postura das pessoas que ali vivem e revelam os choques culturais que os próprios integrantes tem durante as viagens.
Em outros episódios, o Não Conta Lá em Casa já teve contato com a questão do refúgio em países da África e Ásia, mas ela nunca foi o foco do programa. Entretanto, desta vez a crise europeia de recepção aos refugiados é a temática central da temporada, tendo Felipe UFO, Michel Coeli e André Fran visitado cinco países a fim de entender a dinâmica daquele fluxo de refugiados. O MigraMundo entrevistou André Fran na semana seguinte ao lançamento da nova temporada, que reserva belas surpresas e obtivemos boas informações sobre o que nos aguarda nos próximos programas.
MigraMundo: O Não Conta Lá em Casa já abordou diversas questões polêmicas do mundo, como as mudanças climáticas no COP15, países atingidos por guerras civis, entre outros. Como vocês chegaram ao tema desta temporada?
André Fran: Nosso objetivo não é fazer jornalismo, costumamos dizer que fazemos um reality-show com pitadas de jornalismo. Mas o tema dos refugiados saltou aos nossos olhos por envolver uma série de países que conhecemos ao longo de nossas temporadas mas por outro enfoque. A crise de refugiados chega à Europa e cria toda uma situação complexa e delicada por levar refugiados da Síria, Afeganistão, Iraque e outros para o Velho Continente.
Em outros programas, vocês já tiveram contato com refugiados de outras partes do mundo (na Etiópia, na Tailândia etc). Como esta situação é diferente?A situação agora é diferente apenas pelo fato desses refugiados estarem chegando a Europa. A Europa recebe apenas 5% dos refugiados, a grande maioria foge para países como Turquia, Jordânia, Iraque… O fato de só agora isso ganhar as manchetes, por si só, é um fato a se questionar.
Fronteira fechada entre Croácia e Sérvia. Crédito: André Fran
Fronteira fechada entre Croácia e Sérvia.
Crédito: André Fran
Pelo que pudemos ler na internet, vocês estiveram em 5 países, conversando até com a Rafaela Carvalho, que já colaborou com o MigraMundo. Vocês poderiam nos dar um cenário de como estava a situação em cada um deles na época das filmagens?Procuramos fazer o caminho de entrada dos refugiados na Europa até seu almejado destino final, quase sempre a Alemanha. Ajudamos a retirar crianças que chegavam em barcos improvisados nas praias da Grécia, levamos mantimentos a milhares de refugiados que eram barrados em fronteiras da Croácia e Servia e conversamos com refugiados e imigrantes que organizaram uma manifestação em agradecimento a recepção que tiveram em Viena, na Áustria. Foi muito legal poder ter um retrato deles em cada etapa dessa árdua jornada.
Acompanhando vocês nas redes sociais, vimos que esta experiência de gravar a crise europeia de recepção a refugiados foi muito impactante na vida de todos. Vocês poderiam nos dizer qual foi, na opinião de cada um, o momento mais chocante que vocês viveram gravando a 8ª temporada? E por quê?Acho que para todos nós o mais impactante foi ver o êxtase e o desespero desses refugiados ao tocarem o solo europeu pela primeira vez. Uma travessia arriscada e muitas vezes fatal, da Turquia até a Grécia. Famílias inteiras, mulheres e crianças que chegavam de forma perigosa e insegura e não contavam com a ajuda de nenhuma grande organização humanitária, nada além de pequenos grupos de altruístas voluntários. E, muitas, vezes, nós éramos os únicos no local para prestar algum tipo de socorro nesse dramático momento.
Fran, Ufo e Michel na ilha de Lesbos, Grécia. Crédito: Kelly Lynn
Fran, Ufo e Michel na ilha de Lesbos, Grécia.
Crédito: Kelly Lynn
O que os telespectadores podem esperar desta nova temporada?Talvez tenha sido uma das temporadas em que mais me envolvemos com o foco de nossas lentes. Levantamos questões, abordamos situações mas, muito mais do que isso, prestamos muita ajuda humanitária de forma individual e independente sempre que possível.
Aproveitando este espaço aqui, qual mensagem vocês querem deixar para os leitores do MigraMundo?O mundo precisa cada vez mais de pessoas de bem dispostas a fazer a diferença. Só isso será capaz de fazer desse um mundo melhor.
O programa
A 8ª temporada estreou dia 18/11 no Multishow. O primeiro episódio está disponível em:http://globosatplay.globo.com/multishow/v/4618099/.
Fonte: Migra Mundo

Nenhum comentário:

Postar um comentário