segunda-feira, 14 de abril de 2014

Itu é grande demais para mídia

Itu é grande demais para mídia

Os jornais de segunda-feira (14/4) destacam a relativa surpresa do futebol no final de semana: o Ituano Futebol Clube venceu o Campeonato Paulista, derrotando o Santos Futebol Clube na disputa de pênaltis. Até o carioca O Globo, cujo interesse futebolístico não costuma passar de Volta Redonda, registrou o feito na primeira página e em reportagem destacada no caderno de Esportes.


A imprensa resistiu à comparação banal com a batalha entre Davi e Golias, com apenas uma referência a esse clichê, no Globo, mas tanto o Globo como a Folha de S.Paulo se referiram a certa mania dos moradores da cidade interiorana, onde tudo é acima das proporções normais: “Itu é grande”, dizem os títulos dos dois jornais. 

Nos comentários de especialistas, o ponto central é a vitória do orçamento modesto contra as folhas de salários multimilionárias dos grandes clubes. Mas a vitória do Ituano marca também uma mudança na linguagem do jornalismo esportivo, que nos últimos anos se rendeu aos critérios de grandes investimentos provocados pelas repatriações de atletas que fizeram fortunas no exterior. Esse modelo ainda determina a lógica do futebol brasileiro, mas o resultado da estratégia realista do clube de Itu mostra que há alternativas para conter a elitização do esporte popular.

Um dos exemplos mais escandalosos da inviabilidade do modelo baseado em salários de centenas de milhares de reais é o do atacante Márcio Passos de Albuquerque, conhecido como Emerson Sheik, que está trocando o Corinthians pelo Botafogo. O jogador ficou, com se diz no jargão futebolístico, “sem ambiente” no clube paulista, após o jogo contra o Flamengo, no fim do Campeonato Brasileiro de 2013, quando tomou atitudes de quem jogava pelo adversário.

Também pesou contra ele a acusação de haver contribuído para prejudicar o clima interno da equipe e afastar do elenco o atacante Alexandre Rodrigues da Silva, conhecido como Alexandre Pato, trazido do Milan da Itália por mais de R$ 40 milhões. Pato foi emprestado ao São Paulo Futebol Clube e Emerson está se transferindo provisoriamente para o Botafogo do Rio de Janeiro; e, em ambos os casos, o Corinthians se compromete a pagar metade dos salários, o que implica um custo superior a R$ 6 milhões por ano.

Jornalismo de resultados
Ituano e Corinthians são os extremos dessa desigualdade que pode afastar os torcedores dos estádios, porque o crescimento descontrolado dos custos nos grandes clubes inflaciona os preços de ingressos, mantém a estrutura do futebol dependente de grandes contratos com a emissora de televisão hegemônica, limita a receita publicitária a meia dúzia de grandes anunciantes e contribui para concentrar a renda do futebol.

Até mesmo a violência provocada por delinquentes abrigados nas chamadas torcidas organizadas decorre em parte desse modelo, porque esses grupos organizados são parte do esquema de apoio comprado por dirigentes dos grandes clubes com a oferta de ingressos, transporte e outros incentivos.

A imprensa costuma citar isoladamente alguns aspectos desse modelo, condenando pontualmente a violência e alertando para o problema da desigualdade nos salários, mas de modo geral se deixa contaminar pelo clima de show business que se criou em torno do futebol no Brasil.

A movimentação de jogadores entre o mercado brasileiro e o exterior, principalmente nos negócios com clubes europeus, também rende boas oportunidades profissionais para jornalistas, de modo que se produz um círculo no qual alguns levam vantagem, enquanto a estrutura baseada na paixão futebolística vai cedendo lugar aos interesses financeiros. Não são poucas as suspeitas de enriquecimento de dirigentes de clubes, alguns dos quais são veladamente acusados de ficar com parte dos grandes salários que oferecem às estrelas de suas equipes. 

A vitória do Ituano Futebol Clube cria a possibilidade de uma discussão na imprensa sobre os rumos do esporte, no ano em que o Brasil se apresenta como anfitrião da Copa do Mundo. Mas certamente a conversa termina aqui mesmo. Denúncias de superfaturamento em obras dos estádios construídos ou reformados para a Copa ficam apenas na superfície do noticiário. 

No futebol, como em outros temas, o jornalismo vive de resultados.

Fonte: Blog do Miro

Nenhum comentário:

Postar um comentário