segunda-feira, 3 de julho de 2017

Camelôs protestam contra Operação da PBH; PM usa bombas e balas de borracha

Grupo de ambulantes impedidos de montarem barracas nas vias do Centro interditou o trânsito na Praça Sete e na Rua São Paulo; uma mulher ficou ferida na confusão
Um grupo de camelôs realiza, nesta manhã de segunda-feira, um protesto contrário às medidas de fiscalização adotadas pela Prefeitura de Belo Horizonte. A categoria foi proibida de comercializar produtos no Hipercentro de Belo Horizonte e chegou a fechar a Praça Sete. 

Houve confusão no quarteirão fechado da Rua dos Carijós. Um vidro de uma viatura do Batalhão de Choque da Polícia Militar foi quebrado e uma vendedora ambulante ficou ferida. Ela alega que levou um tiro de bala de borracha disparado pela PM. A corporação ainda usou bombas de gás lacrimogênio para dispersar o grupo. Um camelô foi detido com uma chave de fenda na Rua dos Carijós.
Um grupo de camelôs realiza, nesta manhã de segunda-feira, um protesto contrário às medidas de fiscalização adotadas pela Prefeitura de Belo Horizonte.
A categoria foi proibida de comercializar produtos no Hipercentro de Belo Horizonte e chegou a fechar a Praça Sete
Houve confusão no quarteirão fechado da Rua dos Carijós. Um vidro de uma viatura do Batalhão de Choque da Polícia Militar foi quebrado e uma vendedora ambulante ficou ferida. Ela alega que levou um tiro de bala de borracha disparado pela PM. A corporação ainda usou bombas de gás lacrimogênio para dispersar o grupo. Um camelô foi detido com uma chave de fenda na Rua dos Carijós.

Comerciantes assustados decidiram abaixar as portas de lojas próximas da Praça Sete e populares que transitavam pelo local se esconderam em hotéis no entorno da praça. Os PMs usam escudos nas ruas dos Carijós e São Paulo.

Com gritos de protestos contra o prefeito Alexandre Kalil (PHS), o grupo alega que o atual chefe da administração municipal não cumpriu a promessa feita ainda em campanha eleitoral, ao ordenar a retirada dos camelôs das ruas. O protesto começou na Rua São Paulo, próximo à Rua dos Carijós, às 10h, e o grupo fechou a Praça Sete entre 11h15 e 12h30.
Pouco antes de 13h, os câmelos liberaram a Praça Sete e seguiram para o cruzamento da Avenida Amazonas com rua Tamoios. Porém, o grupo voltou a se reunir na Praça Sete que está fechada em todos os cruzamentos.






No início do movimento, os manifestantes atearam fogo em madeiras e em um amontoado de lixo em uma das pistas da Avenida Afonso Pena. O tenente-coronel Eduardo Felisberto Alves, comandante do 1º Batalhão da PM, negociou a liberação do tráfego da Praça Sete com os manifestantes, que agora estão no quarteirão fechado da Rua dos Carijós. A expectativa é que aconteça, às 13h30, uma reunião de lideraças da categoria com a secretária municipal de Serviços Urbanos, Maria Caldas. 

A vendedora Vera Lúcia Teixeira Bonfim, representante do grupo que se concentra no Centro, afirmou que faltou humanidade por parte do prefeito e da secretária Maria Caldas na ação de retirada dos camelôs das ruas.

“Nós vamos pedir um prazo maior até ela resolver o problema da gente, não temos como ficar dentro de casa sem garantir o sustento dos nossos filhos, porque é aqui na rua que a gente consegue dinheiro para pagar o alimento e as contas de água e luz. Todos nós somos trabalhadores e estamos respeitando a decisão deles, mas quando o Kalil queria voto ele veio aqui no Centro e pegou na mão de todo mundo e nos deu a palavra de que iria arrumar espaço pra todo mundo e agora ele não vem conversar? É uma ação totalmente sem humanidade dele e da Maria Caldas de tirar trabalhadores dos seus cargos”.

Vera Lúcia, que trabalha nas ruas há 25 anos, ressaltou, também, que os shoppings populares não são a melhor saída para os camelôs. “Nós somos contra ir para os shopping populares. Eu já fui pra lá e não é a solução, aquele lugar é uma farsa e só tem magnata chinês e nós não temos nenhuma condição financeira de competir com eles” destacou.








Palavra da PBH


A secretária Maria Caldas informou nesta manhã que a PBH vai subsidiar o aluguel dos camelôs em shoppings populares privados durante cinco anos. Essa intenção está expressa em um projeto que será enviado ainda hoje à Câmara Municipal. Além disso, a administração municipal vai abrir vagas no Shopping Caetés, que é administrado pela prefeitura. Cursos profissionalizantes serão oferecidos aos vendedores para que eles se preparem para a nova realidade e tenham condição se trabalharem nos shoppings.

Fiscalização  

Agentes da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) ocupam as ruas do Hipercentro na manhã desta segunda-feira como parte das ações anunciadas pela administração municipal para coibir a presença de camelôs na região.

Há presença ostensiva de fiscais da PBH, agentes da BHTrans, guardas municipais e também servidores de apoio. Os fiscais vestem coletes pretos e os de apoio, coletes azuis. As equipes ocupam prioritariamente as esquinas das ruas São Paulo, Carijós e Curitiba, que têm a maior concentração de camelôs e ambulantes. 

O ponto base da força-tarefa fica na esquina das ruas São Paulo e Carijós, mas os agentes percorrem toda a região. As ações serão da seguinte forma: primeiro, haverá a orientação. Caso um camelô seja flagrando montando sua estrutura para venda, ele será orientado para que não fique no local, pois isso infringe o Código de Posturas. Se ele insistir na montagem, os produtos serão apreendidos. Para isso, há uma estrutura armada para a remoção da mercadoria. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário