quinta-feira, 3 de maio de 2018

Morte ao pajé: a Bíblia como arma do etnocídio indígena

Documentário de Luiz Bolognesi é estrelado por Perpera, líder religioso dos Paiter Suruí que o fundamentalismo transformou em ex-pajé
O pajé Perpera só dorme de luz acesa. Tem medo de os espíritos da floresta virem bater nele. Depois que o pastor fundamentalista estrangeiro disse que “pajé é coisa do diabo”, Perpera se viu transformado da noite para o dia de líder religioso respeitado por todos em cidadão de segunda classe, a quem ninguém na aldeia dirigia a palavra até ele ceder, vestir gravata e tornar-se zelador da igreja.

O pajé Perpera só dorme de luz acesa. Tem medo de os espíritos da floresta virem bater nele. Depois que o pastor fundamentalista estrangeiro disse que “pajé é coisa do diabo”, Perpera se viu transformado da noite para o dia de líder religioso respeitado por todos em cidadão de segunda classe, a quem ninguém na aldeia dirigia a palavra até ele ceder, vestir gravata e tornar-se zelador da igreja.

Na abertura do documentário Ex-Pajé, de Luiz Bolognesi, aparece uma frase do antropólogo francês Pierre Clastres que diferencia o termo genocídio do etnocídio: “o genocídio assassina os povos em seus corpos e o etnocídio os mata em seu espírito”. Pouco a pouco, o espectador irá entender a violência deste termo na prática.

Perpera é o pajé do povo Paiter Suruí, em Rondônia. Sua intimidade com os espíritos da floresta, a quem trata como amigos e parceiros, é destroçada pela presença da igreja neopentecostal na aldeia. O pajé já não cura: as plantas foram substituídas pelas aspirinas e injeções dos missionários. O pajé tampouco dá conforto espiritual: convertidos, os indígenas preferem Jesus. E Perpera virou um ex-pajé.

Todo falado em Mondé, a língua autóctone dos Paiter Suruí, o documentário de Bolognesi mistura habilmente cenas reais com recriações, utilizando os índios como atores. Perpera é o centro da trama, mas o filme também se debruça sobre a vida cotidiana na aldeia, onde se mesclam o passado das tradições se desvanecendo com o presente esmagador das caminhonetes, das embalagens plásticas e dos tablets nas mãos das crianças. O pajé versus o pastor.

Em certos momentos, Perpera lembra Santiago, o mordomo do documentário de João Moreira Salles, com sua elegância e dignidade natas, que não se curvam à servidão. Sentimos a dor da humilhação do pajé obrigado a ser porteiro da casa de um deus em que não acredita. Seu protesto silencioso se esconde nos detalhes: Perpera está sempre de costas para o púlpito, e o zunzum das abelhas parece falar mais à sua alma do que as palavras que saem da Bíblia.

A brutalidade do líder cristão contra o pajé Paiter Suruí está longe de ser, porém, um caso único. Embora a a Constituição reconheça “a organização social, costumes, línguas, crenças e tradições” dos povos indígenas, as igrejas neopentecostais têm avançado sobre as diversas etnias, e seu primeiro alvo é o pajé. Algumas aldeias abandonaram completamente as crenças tradicionais e viraram evangélicas, com as proibições cristãs invadindo suas vidas: não pode mais andar nu, não pode dançar nem beber bebidas típicas e não pode, em hipótese nenhuma, frequentar o pajé.



Ao contrário do que acontecia nos governos petistas, o proselitismo religioso nas aldeias não é mais combatido pela Funai. Pastor evangélico, o ex-presidente do órgão, Antonio Costa, dizia não se opôr às missões e à pregação aos índios. “Vejo com a maior naturalidade”, disse à BBC. Uma missão presbiteriana, a Caiuá, beneficiária de recursos bilionários da União, responde por 64% dos atendimentos médicos à população indígena.

No filme, a redenção do pajé vem da juventude, de uma nova geração de indígenas formada na universidade e que está redescobrindo o respeito pelo saber ancestral como forma inclusive de empoderamento. Quem sabe eles não consigam salvar os Perperas do etnocídio?


Veja o que os índios acharam do filme, exibido no Acampamento Terra Livre, em Brasília.


Fonte: Socialista Morena

Nenhum comentário:

Postar um comentário