segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Os ecos de Dilma em Davos


Os ecos de Davos foram plenamente favoráveis à presidente Dilma Rousseff. No World Economic Forum, o mais importante evento do capitalismo mundial, sua fala recebeu elogios gerais, conforme a cobertura dos jornais brasileiros.
***
Há um sem-número de críticas quanto à forma do governo, às vulnerabilidades da política econômica, à insuficiência dos gestores. Critica-se a contabilidade criativa, a forma como foram distribuídos subsídios, as idas e vindas dos leilões de concessão.
Embora sejam críticas consistentes, elas se referem ao periférico. É evidente que, com Ministros mais eficientes, com visão técnica mais apurada, com maior abertura na discussão de políticas públicas, o caminho seria mais fácil. Mas não é o essencial. No máximo, provocam algum atraso no deslanche da economia.
***
O essencial foi dito por Dilma nos seus dois discursos: o compromisso com a responsabilidade fiscal, com o controle da inflação, com o câmbio flutuante e com os investimentos privados em áreas cruciais, como da infraestrutura. E, claro, com a construção de um país de classe média, sem a pobreza aviltante que o marcou historicamente.
***
Os discursos de Aécio Neves e Eduardo Campos trazem poucas variações em torno do mesmo tema. Os pontos em comum trazem mais informações sobre o futuro do país do que eventuais pontos de discordância: significa o alinhamento em torno de princípios consolidados.
Significa o país caminhando para um modelo similar ao europeu: um partido de centro-esquerda, nos moldes trabalhistas; outro de centro-direita, mais liberal; partidos menores ocupando o espaço da extrema esquerda e da extrema direita, mas sem comprometer a polarização.
Nem se pense que o PSDB tenha lugar cativo na centro-direita. Se não se sair bem nas próximas eleições, esse espaço poderá ser ocupado pelo PSB de Campos.
***
O importante é que se consolidaram os princípios centrais desse modelo brasileiro.
  1. Capitalismo social, com foco nas políticas de inclusão social e de combate à miséria.
  2. Fortalecimento de um setor produtivo privado, especialmente com os programas de concessão e do pré-sal, redução de juros e melhoria do câmbio. Há muitos furos nessa caminhada, especialmente a forma como o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) de Luciano Coutinho tratou os tais “campeões nacionais”. Mas são exageros corrigíveis.
  3. Democracia participativa. Houve um recuo no governo Dilma, com as decisões de gabinete. Mas as próprias manifestações de junho passada indicam a irreversibilidade da construção de políticas públicas coletivas, retomando o espírito da Constituição de 1988.
  4. Ênfase em investimento, inovação e educação
***
Há muitos ajustes a se fazer. Tem-se um ambiente econômico anti-empreendedorismo, um Banco Central que recuou na caminhada anterior, de romper com dogmas de mercados e contas externas pouco favoráveis. E há um rombo preocupante nas contas externas. 
Mas são problemas que a própria dinâmica da democracia brasileira tratará se acertar.
O maior desafio foram as eleições de 2010. O exorcismo de José Serra foi o desafio final para a consolidação desse modelo. Tivesse sido eleito, a economia teria parado e Serra estaria buscando os álibis nos inimigos externos. E 25 anos de construção democrática teriam ido para o fundo.
Fonte: Luís Nassif Online

Nenhum comentário:

Postar um comentário